O que falta ao Benfas?

terça-feira, 1 de julho de 2008

Nem no metro tenho descanço

Duas senhoras munidas do seu ar carrancudo encontram-se por acaso no metro, eis o teor da sua conversa (sempre em falsete, acentuando a última silaba ad eternum):
- Então gaijaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!
-Entãoooooooooooooooooo!!!!!
- Já não te via há muito tempooooooooooooo!!!!!!!
- Estás mais magraaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!
- Não estou nada, pareço uma vacaaaaaaaaaaa!!!!!!!
- Não digas isso, estás lindaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!
Segue-se uma série de sussuros (suspeito que de teor lascivo), que uma delas interrompe, rindo-se a bandeiras despregadas, com a seguinte expressão:
- Sua cabraaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!

3 comentários:

Bruno Matias disse...

Este diálogo é verídico ou são mais umas "notas do submundo" do Féodor?
Caro administrador, conhece o Hotel Principe da Beira , 4 estrelas, aí na sua bela cidade do Fundão?Imagino que seja bem perto da sua gigantesca mansão, digna de aparecer no "cribs". E que por vezes até deve dizer que eles são vizinhos do piorio e que fazem muito barulho!!!

galante o sábio disse...

O diálogo é inteiramente verídico, aliás, o camarada atente que na época em que o amigo Féodor viveu ainda não existia metro.
Na verdade conheço o Hotel Principe da Beira, este situa-se em plena Serra da Gardunha, é visível da A23 logo após a saída do Túnel da Gardunha. Antes de ser restaurado para lhe darem a sua função actual tinha servido como seminário.

Bruno Matias disse...

O homem podia ser um visionário e imaginar o "metro" muito antes de ele ser criado. Com os génios acontece muito isso!
Se ganhar um concurso sou capaz de ir pernoitar nesse hotel, mas para isso preciso ter muita sorte e alguma criatividade.
Antes de ser um hotel servia como seminário, parece-me bem.